O que preciso conhecer do estilo American Strong Ale

Impressão Geral: Uma American Ale forte, cheia de sabor que recompensa o paladar com sabores plenamente maltados e lupulados e que satisfazem mesmo com um amargor substancial. Os sabores são ousados mas complementares, e são mais fortes e mais ricos na média de intensidade do que as Ales americanas claras e âmbar.


Aroma: Médio a alto aroma de lúpulo, na maioria das vezes apresentando notas cítricas ou resinosas, embora as características associadas a outras variedades americanas ou do Novo Mundo podem ser encontradas (tropical, frutas de caroço, melão, etc). Moderado a muito alto caráter maltado que sustenta o perfil lupulado, normalmente com uma presença de caramelo médio a escuro, e com possíveis notas de pão ou tostados, deixando ao fundo leves notas torradas e/ou perceptível chocolate em alguns exemplares. Geralmente apresenta um perfil limpo a moderado de ésteres frutados. Um moderado aroma de álcool pode ser notado, mas não deve ser quente, áspero, ou de solvente.


Aparência: Cor âmbar médio a cobre profundo, ou marrom café claro. Espuma de formação moderadamente baixa a média, de cor bege claro a leve bronzeado; pode ter uma baixa retenção de espuma. Boa limpidez. Um alto nível de álcool e viscosidade podem deixar de apresentar lágrimas (“pernas”) quando o copo é agitado em redemoinho.


Sabor: De médio a elevado sabor de dextrinas de malte com uma ampla e completa variedade de notas de caramelo, toffee, sabores de frutas escuras. Pão tostado, de baixo a médio, ou ricos sabores de maltes, resultantes de reação de Maillard são opcionais, e podem adicionar complexidade. Médio-alto a alto amargor de lúpulo. O malte dá uma impressão de dulçor média a alta no palato, embora o final pode ser ligeiramente doce a um pouco seco. Moderado a alto sabor de lúpulo. Baixos a moderados ésteres frutados. O sabor de lúpulo é semelhante aos de aroma (tropicais, cítricos, resinosos, frutas de caroço, melão, etc.). A presença de álcool pode ser perceptível, mas sabores pungentes, de solvente são indesejáveis. Os sabores de malte tostado são permitidos, mas apenas como de uma nota de fundo; sabores de malte queimado ou torrado são inadequados. Apesar de fortemente maltada no paladar, o final deve ser de amargo a agridoce. Não deve ser xaroposo nem sub-atenuado. O retrogosto normalmente tem malte, lúpulo e álcool perceptíveis.


Sensação de boca: Corpo médio a elevado. Um calor alcoólico pode estar presente, mas não deve ser excessivamente quente. Qualquer adstringência presente deve ser atribuída ao amargor de lúpulo e não deve ser desagradável ao paladar. Carbonatação média-baixa a média.


Comentários: Um estilo muito abrangente que pode descrever cervejas rotuladas de diversas maneiras, incluindo as modernas Double/Imperial Red/Amber Ale e outras cervejas fortes, maltadas mas lupuladas que não ficam bem na classe das Barleywine. É um estilo suficientemente diversificado para incluir o que pode ser visto como uma forte American Amber Ale, com espaço maior para interpretações de outras versões “Imperial” de estilos ale americanos de menor densidade. Muitas IPAs do estilo “West Coast” podem encaixar melhor nessa categoria se tiverem considerável quantidade de malte cristal ou, de outra forma, um final maltado mais doce.


História: Apesar das versões artesanais modernas terem sido catalogadas como “Imperial”, as versões fortes de American Amber Ale ou Red Ale (que são American Strong Ales) tem muito em comum com as históricas ales de guarda americanas. Cervejas fortes e maltadas, que eram altamente lupuladas para mantê-las como provisão antes da proibição. Não há legado de produção contínua destas ales de guarda, ao menos não da maneira que produziam, mas a semelhança é considerável. A Stone Arrogant Bastard nasceu de um lote de Pale Ale que foi erroneamente feito com ingredientes em excesso, criando, assim, o que pode ter sido o modelo de uma Imperial Amber/Red Ale. A Great Lakes foi a primeira a produzir a Nosferatu, no início da década de 1990 e chamou-lhe uma cerveja de guarda (Stock Ale), embora hoje passou a chama-la de Imperial Red Ale. Então, se por direta inspiração histórica ou por acidente, certo é que o estilo tem sido desenvolvido de forma independente na era da cerveja artesanal e, consequentemente, tem se tornado bastante popular.


Ingredientes Característicos: Maltes claros bem modificados para a base; alguns maltes com caráter podem ser apropriados, maltes Cristal de tostado médio a escuro são típicos. Lúpulos americanos de perfis cítricos ou de pinho são comuns, embora qualquer variedade de lúpulos americanos ou do Novo Mundo pode ser utilizada em quantidade, desde que não venha a colidir com o caráter de malte. Geralmente utiliza uma levedura americana atenuante.


Comparação de estilos: Em geral não é tão forte e tão rica como uma American Barleywine. Mais balanço de malte do que uma American IPA ou Double IPA, com mais intensidade de lúpulo americano do que uma English Strong Ale poderia tolerar.


Estatísticas Vitais: OG: 1.062 – 1.090 FG: 1.014 – 1.024 IBUs: 50 – 100 SRM: 7 – 19 ABV: 6.3 – 10.0%


Exemplos Comerciais: Bear Republic Red Rocket Ale, Great Lakes Nosferatu, Terrapin Big Hoppy Monster, Port Brewing Shark Attack Double Red, Stone Arrogant Bastar.


Etiquetas: Intensidade Alta, Cor Âmbar, Fermentação Alta, América do Norte, Estilo Artesanal, família-strong-ale, Amarga, Lupulada

Posts recentes

Ver tudo

Impressão Geral: Uma ale Trapista um pouco condimentada, seca e forte, com um agradável sabor arredondado de malte e um amargor firme. Muito aromática, com notas condimentadas, frutadas e leve álcool

Comentários: Em inglês é pronunciado como “pivo grow – JESSE – kee-uh” (que significa: Grodzisk cerveja). Conhecido como Grätzer (pronuncia-se “GRATE-sir”) em países de língua alemã e, em alguma liter

História: Uma ale de provisão originalmente desenvolvido na Valônia, a parte da Bélgica que faz fronteira com a França, para consumo durante o período de cultivo da terra ativo. Originalmente um produ